Cerveja Virou Sopa de Produtos Químicos

Cerveja contém aditivos
Cerveja contém aditivos

Excetuando as cervejas alemãs, as cervejas orgânicas e as microcervejarias artesanais de boa qualidade ao redor do mundo, a cerveja deixou de ser um produto natural e se transformou numa sopa química onde pode ser encontrada uma infinidade de aditivos químicos potencialmente prejudiciais à saúde. Veja abaixo alguns aditivos que podem estar presentes numa inocente cerveja:

  • Glutamato monossódico (realçador de sabor);
  • Propilenoglicol (estabilizador de espuma);
  • EDTA cálcio dissódico (sequestrante – sintetizado a partir de formaldeído, cianeto de sódio e etilenodiamina);
  • Sulfitos (conservantes) (podem desencadear enxaqueca, asma e outras reações)
  • Aromatizantes “naturais” (…?…);
  • Xarope de milho e outros açúcares provenientes de organismos geneticamente modificados;
  • Corante caramelo classes III e IV (carcinogênicos);
  • Corante FD&C Azul 1 (“anil”) (derivado do petróleo) (efeitos colaterais variam desde digestivos, como gases, passando por enxaqueca, ansiedade, fadiga, reações alérgicas, inchaço ao redor dos olhos, espirros, congestão nasal, coceiras. Sugerido, mas não comprovado, efeito carcinogênico em animais);
  • Corante FD&C Vermelho 40 (idem);
  • Corante FD&C Amarelo 5 (idem);
  • Clareadores;
  • Bisfenol A (presente na lata de cerveja) (disruptor endócrino – contribui para obesidade, distúrbios hormonais de toda sorte, câncer, redução do tamanho do pênis, depressão).

Cerveja tem até 45% de milho transgênico

As cervejas brasileiras mais consumidas contêm até 45% de milho transgênico em sua composição, de acordo com estudo publicado em 2013 no Journal of Food Composition and Analysis, vol. 29, págs. 52 a 57.

Cerveja, como a imaginamos, deveria ter cevada e não milho. Mas a indústria brasileira das principais marcas de cerveja parece pensar diferente, substituindo cevada por até 45% de milho. E o milho predominantemente no Brasil é transgênico.

Repense seus hábitos. Busque produtores artesanais fora das prateleiras das redes de supermercados e eleja-os como seus fornecedores.

Saia da zona de conforto não só pelo bem de sua saúde e seu paladar, mas para comunicar ao mercado que é um consumidor consciente não quer se deixar enganar. Celebre seu direito de consumidor mudando seus hábitos, informando-se mais e melhor sobre o que consome, e divulgando seu conhecimento para seu círculo de influência.

Publicado por Dr. Alexandre Feldman

Médico clínico-geral, autor de vários livros, criador dos sites MedicinaDoEstiloDeVida.com.br e Enxaqueca.com.br, palestrante, criador do termo "Medicina do Estilo de Vida", para designar a vertente da medicina que prioriza mudanças de hábito e estilo de vida para a prevenção e recuperação de doenças. Tem consultório em São Paulo, cidade onde mora com sua esposa Pat Feldman e dois filhos.

2 respostas em “Cerveja é Repleta de Aditivos Químicos”

  1. Olá Dr. Alexandre,

    Sou uma grande fã sua e de sua esposa, graças a vocês, tenho melhorado meu estilo de vida a cada dia. Esse artigo sobre cerveja veio em uma boa hora, uma das cervejas que mais gosto é aquela Guinness, irlandesa. Será que ela se enquadra nesse quesito natural? No site deles, dizem que os 4 ingredientes principais são cevada, lúpulo, água e fermento mas não citam os demais. Agradeço se puder responder.

  2. Juliana pelo simples fato dela ser engarrafada e durar vários meses já desconfio que tenha muitos aditivos e conservantes. Acho que eles omitem essas informações no rótulo.

Os comentários estão desativados.