post

Juramento de Hipócrates – Revelações Surpreendentes

Os médicos, até os dias de hoje, quando se formam, fazem um juramento: o Juramento de Hipócrates. É verdade que em países como o Brasil o Juramento de Hipócrates é meramente simbólico (como veremos, não é obrigatório fazer o Juramento de Hipócrates na íntegra para se formar médico no Brasil). De qualquer modo, o Juramento de Hipócrates está entre os mais famosos de todos os textos da Grécia Antiga.

Os médicos, no dia da formatura, pensam que fazem o Juramento de Hipócrates, ainda que simbolicamente.

juramento de Hipócrates

Neste documento, guardado pela National Library of Medicine, nos Estados Unidos, o Juramento de Hipócrates encontra-se em grego na coluna da esquerda, com tradução para o latim na coluna da direita. Hippocrates. Ta euriskomena … Opera omnia … (Francofurti: Apud Andreae Wecheli heredes, 1595). Estima-se que o texto original do Juramento tenha sido escrito no Século 4 Antes de Cristo. Clique na imagem para ampliá-la.

Pensam que fazem.

Pois na verdade, boa parte do texto original do Juramento de Hipócrates é simplesmente “cortada”. Omitida. Essa parte, quase sempre, o médico desconhece, pois não é ensinada a ele. Não é divulgada.

Vamos dar uma olhada no texto original, traduzido livremente por mim, abaixo.

Eu juro por Apolo, o médico; e  por Esculápio, Higéia, Panacéia, tendo todos os deuses e deusas como minhas testemunhas que, de acordo com minha habilidade e julgamento, manterei este Juramento e este contrato:

Eu vou nutrir a mesma afeição que tenho para com meus pais àquele indivíduo que me ensinou esta arte, ser dele um parceiro na vida e preencher suas necessidades quando requisitado; considerar os filhos dele como iguais aos meus próprios irmãos, e ensinar-lhes esta arte caso desejem aprendê-la, sem pagamento ou contrato; e que através das regras, aulas e todos os demais métodos de instrução pré-estabelecidos, transmitirei um conhecimento da arte para meus próprios filhos e para os filhos de meus professores, e para os estudantes presos a este contrato e que proferiram este Juramento à lei da medicina, mas não a outros.

Também prescreverei regimes de estilo de vida que beneficiem meus pacientes, de acordo com minha melhor capacidade e julgamento, E EU NÃO VOU LHES CAUSAR MAL ou causar-lhes maus tratos.

Eu não darei droga letal para ninguém, caso isso me seja solicitado, nem aconselharei tal procedimento; e similarmente, não darei a uma mulher um pessário que lhe provoque um aborto.

Na pureza e de acordo com a lei divina, cumprirei minha vida e minha arte.

Eu não utilizarei a faca, nem mesmo naqueles que sofrem de cálculos, mas deixarei essa tarefa para aqueles que foram treinados nesta arte.

Em qualquer casa que eu vá, entrarei pelo benefício do doente, evitando qualquer ato voluntário de impropriedade ou corrupção, incluindo a sedução de mulheres ou homens, sejam eles livres ou escravos.

Qualquer coisa que eu veja ou escute nas vidas de meus pacientes, seja em conexão com minha prática profissional ou não, e que não convenham ser comentadas do lado de fora, eu manterei secretas, considerando todas essas coisas como privativas.

Contanto que eu mantenha este Juramento fielmente e sem corrupção, que me possa ser permitido partilhar plenamente da vida e da prática de minha arte, ganhando o respeito de todos os homens por todos os tempos. No entanto, caso eu transgrida e viole este Juramento, possa o contrário ser meu destino.

Agora, analisemos o conteúdo deste Juramento de Hipócrates.

Logo de início, o Juramento invoca uma série de personagens da mitologia grega (e mais tarde romana). E é sobre esses personagens que o médico está jurando. Veja por que isso faz sentido:

Até hoje, quando se faz um juramento, jura-se sempre por alguma coisa, ou alguém, ou alguma coisa que representa algo de caráter sagrado. E esse alguém é, quase sempre, um ancestral (vivo ou morto) ou uma entidade divina. Comumente ouvimos dizer hoje em dia: – “Juro pela alma de …” (ancestral falecido), ou – “Juro pela minha mãe” (ancestral vivo), ou até mesmo – “Juro por Deus” (alguém de caráter sagrado). Nos tribunais dos Estados Unidos, o réu e as testemunhas juram pela Bíblia, (coisa que representa o sagrado para a civilização judaico-cristã). Mas o Juramento de Hipócrates consegue abranger tudo: ao invocar personagens da mitologia grega, etrusca  e romana, estão na verdade sendo invocados nossos ancestrais de tempos imemoriais, do berço da civilização ocidental, a quem devemos não apenas nossa herança genética, mas também de conhecimento, e que por sua vez criaram esses personagens mitológicos (deuses, portanto sagrados para nossos remotos ancestrais) através de sua vivência e sabedoria há muito, muito tempo atrás. Esses personagens sempre foram simbólicos e representavam uma série de fenômenos até hoje inexplicáveis pela lógica.

Apolo. Alto relevo fotografado no Parthenon

Apolo. Alto relevo fotografado no Parthenon

Assim, a palavra Apolo (que em grego pronuncia-se algo como Apólon) dá origem às palavras redimir/salvar/resgatar (ἀπόλυσις), assim como purificação (ἀπόλουσις). Apolo é um personagem mitológico, filho de Zeus (rei dos deuses do Olimpo). Apolo é um dos mais importantes deuses do Olimpo, sendo conhecido como deus da luz e do Sol, da verdade e da profecia, da medicina e da cura, das artes, da poesia e da música, entre outras coisas. A medicina e a cura eram associadas a Apolo, e também pela mediação de seu filho, Esculápio.

Enquanto Apolo possuía vários domínios, Esculápio (que em grego pronuncia-se algo como Asclépios) (Asklēpiós) era deus, especificamente, da medicina e da cura, dentro da antiga mitologia grega.

templodeasclepio

Ruínas do Templo de Esculápio na Ilha de Kos, onde o lendário médico grego Hipócrates iniciou sua carreira. Diz-se que foi neste Templo que Hipócrates foi treinado e ensinado. Clique na imagem para ampliar.

Sua mãe, Coronis, foi morta enquanto ainda grávida de Esculápio, por ter sido infiel a Apolo; mas seu filho foi resgatado vivo de seu útero. Por isso recebeu o nome Asclépios, que significa algo como “abrir com um corte”. Os romanos traduziram Asclépios para Esculápio (Aesculapius).

Esculápio segurando bastão envolvido por serpente

Esculápio segurando bastão envolvido por serpente

As palavras escalpelo (sinônomimo de bisturi) e scalpel (bisturi em inglês) não são mera coincidência. Esculápio era o deus específico da medicina, da cura, do rejuvenecimento e também dos médicos. Várias regiões da Grécia Antiga possuíam santuários dedicados a Esculápio, inclusive a ilha de Kos, onde Hipócrates, o lendário médico grego, teria iniciado sua carreira. Os ancestrais da nossa civilização ocidental peregrinavam em massa, quando doentes, para esses templos de cura. Esculápio é simbolizado por um bastão envolvido por uma serpente. Em homenagem a Esculápio, durante os rituais de cura, várias cobras não venenosas eram deixadas serpenteando no chão dos quartos habitados pelos doentes e feridos.

Higéia, na mitologia grega, é filha de Esculápio. Se, de um lado, Esculápio era associado à recuperação e cura, a figura de Higéia (Ὑγεία) era associada à prevenção das doenças e à continuidade da boa saúde. Ela era a deusa da saúde, da limpeza e do saneamento. Seu nome deu origem à palavra higiene.

A pátera de Higéia

A pátera de Higéia

Estátua de Higéia no Instituto de História Antiga da Universidade de Innsbruck (Áustria)

Estátua de Higéia no Instituto de História Antiga da Universidade de Innsbruck (Áustria)

Muitas estátuas e monumentos na Grécia, retratam Higéia segurando um receptáculo circular que recebe o nome de pátera,  envolto por uma serpente dócil e prestes a se alimentar do seu conteúdo. A serpente representa, simbolicamente, o paciente que está prestes a compartilhar do tratamento, ao mesmo tempo em que está assumindo controle sobre seu próprio bem-estar ao fazer as escolhas corretas.

O Significado da Serpente:

A serpente está relacionada a uma crença grega ainda mais ancestral, de que as cobras seriam donas de grande sabedoria e capacidade de regeneração e cura (as cobras trocam de pele “renovando-se”). Acreditava-se que os mortos iam para “baixo”, para o fundo da terra, num lugar parecido com um sonho, denominado Hades (e que não é nem bom, nem ruim). As serpentes manteriam contato com os mortos, e poderiam até transportar a alma de antepassados que retornariam de baixo para ajudar os vivos. A idéia de que as serpentes possuem sabedoria provém justamente da crença que elas transportavam o espírito dos nossos antepassados falecidos.

Panacéia (em grego Πανάκεια) é irmã de Higéia, portanto filha de Esculápio e neta de Apolo. Panacéia é deusa da cura. Observe que Apolo também era deus da cura, entre outras coisas. Acontece que Panacéia e suas 5 irmãs, possuíam, cada, uma faceta específica da arte de Apolo: Panacéia, a cura; Higéia, a prevenção; Meditrina, a longevidade; Algéia, a beleza natural; E Akeso (ou Aceso), a recuperação. Panacéia detinha uma poção, com a qual curava os doentes. Daí surgiu o termo panacéia, utilizado até hoje para descrever um medicamento capaz de curar muitas doenças, ou “remédio universal” capaz de solucionar todos os males.

E é assim que o Juramento de Hipócrates se inicia, com a invocação solene: Eu juro por Apolo o Médico, e por Esculápio, Higéia e Panacéia, tendo como testemunhas todos os deuses e deusas…

Pergunto: será que isso não possui um forte significado simbólico até os dias de hoje, conectando-nos com as ‘forças’ (até hoje não completamente explicadas) que governam nosso bem mais sagrado – a nossa saúde? Será que isso não representa um compromisso solene com toda herança de nossa civilização e conhecimento?

O médico jura, em primeiro lugar, ser profundamente agradecido ao Mestre que lhe ensinou esta Arte, e a considerar os filhos de seu Mestre como seus próprios irmãos.

No tocante aos seus pacientes, o médico jura, antes de mais nada, tratá-los com orientações de estilo de vida que lhes tragam benefícios. Sim – estilo de vida mesmo! O texto original em grego fala em prescrição de diaita; repare diaita na linha16 do documento acima. Ao contrário do moderno significado de “dieta”, a palavra diaita não dizia respeito apenas a hábitos alimentares, mas sim a exercícios físicos, hábitos de trabalho, saúde mental, comportamento sexual, padrões de sono, higiene corporal etc.  Na tradução latina do documento acima, encontramos a palavra victus. Victus também significa estilo de vida, modo de vida, além do significado mais conhecido que possui (de provisões, nutrição, alimentos). Está escrito Victus quoque rationem victus1 : “Estilo de vida também prescreverei“.

O Juramento de Hipócrates prossegue: em seguida, o médico jura que não vai causar mal a seus pacientes, e jura que não vai lhes dar droga letal em nenhuma hipótese.

Qualquer bula de qualquer droga vai confirmar imediatamente: elas podem podem fazer mal. Aliás, elas podem fazer mais mal que bem.

Diz o juramento:

(…)E EU NÃO VOU CAUSAR-LHES MAL(…).

Ou seja: antes de mais nada, o médico não deve causar, JAMAIS, um mal aos seus pacientes.

Mas o que são os eufemisticamente chamados “efeitos colaterais”, senão males causados pelas drogas?

E mesmo assim, é perfeitamente aceitável para nós, médicos, prescrever a um paciente drogas que podem causar-lhes danos nos rins, ou asma, obesidade, anorexia, queda dos cabelos, diminuição da libido, alergia, falência hepática, gastrite, úlcera, fibrose, problemas no coração, na pressão… enfim, danos ao organismo que podem ser maiores do que a própria doença para a qual o paciente está ingerindo essas drogas!

É claro que tomar essas drogas – que a propósito, não curam a doença – não significa, necessariamente, que elas provocarão tais efeitos colaterais. Mas será aceitável correr esse risco?

Alguém poderia até achar que é aceitável. Alguém, por exemplo, com muita dor há bastante tempo (por exemplo, a dor de cabeça crônica da enxaqueca), alguém em total desespero, à busca de uma solução – seja ela qual for. Alguém que “topasse tudo”, até mesmo a possibilidade de efeitos colaterais piores que a própria doença.

Porém, nessa hora é preciso lembrar de um outro detalhe: TODAS as drogas vão perdendo o seu efeito com o tempo.

Conclusão: além de correr um risco de ficar muito mais doente, ou até perder a vida por conta de efeitos colaterais das drogas, existe a certeza de que essas drogas, com o tempo, vão perdendo seu efeito “benéfico”.

Uma verdadeira situação perde-perde. Você perde de todos os lados.

E mesmo que as chances de uma determinada droga provocar a morte ou danos irreparáveis fossem de uma em um milhão, de que adiantaria se essa pessoa fosse você? Será que essa estatística serviria de consolo para você seus familiares? “- …Olha, mas a chance disso ter acontecido era de apenas uma em cem mil!…”, ou 10 mil, ou mil… Quem se consolaria com essa justificativa?

É bem verdade que certas coisas mudaram desde a época de Hipócrates. Por exemplo, naquele tempo médico era uma coisa e cirurgião era outra:

Eu não utilizarei a faca, nem mesmo naqueles que sofrem de cálculos, mas deixarei essa tarefa para aqueles que foram treinados nesta arte.

Hoje em dia, os cirurgiões são médicos. Mas até mesmo hoje, a maioria dos médicos não são cirurgiões.

Para os médicos cirurgiões da atualidade, essa pequena frase do Juramento de Hipócrates  não é válida.

Mas para todos os médicos (cirurgiões inclusive), o restante do Juramento de Hipócrates continua repleto de sabedoria e Ética.

A Ciência de ponta já comprovou que a grande maioria das doenças é causada por fatores ambientais e comportamentais, ou seja, nossos hábitos e estilo de vida, os quais influenciam enormemente, desde nossa imunidade até nossa saúde mental.

Na minha opinião, infelizmente, a maioria dos médicos está cada vez mais especializada em denças, e menos em saúde!

Mais que isso, as doenças estão sendo encaradas como um estado de “falta de droga”: Enxaqueca é “falta de remédio (droga) para enxaqueca”. Pressão alta é “falta de remédio para pressão”, e assim por diante. Infelizmente, o que eu vejo é um mundo cada vez mais doente, tomando cada vez mais drogas. Prova disso é que muitas doenças que antes ocorriam quase que exclusivamente em indivíduos mais velhos, estão ocorrendo em pessoas cada vez mais jovens.

É claro que as drogas, a meu ver, podem, em certos casos, possuir grandes benefícios (apesar de não curar o paciente). Mas a aplicabilidade de cada um desses casos deve, na minha opinião, ser analisada à luz do atualíssimo Juramento de Hipócrates.

Portanto,

Se você acredita que seus hábitos e estilo de vida podem influenciar positivamente sua saúde;

Se você concorda que nenhum remédio e nenhum médico são capazes de curar uma doença, mas apenas aliviar seus sintomas com drogas e outros procedimentos;

Se você concorda que a cura das doenças existe, porém se encontra dentro de você, e não fora;

Se você acredita que seu organismo não pode ser dividido em infinitos compartimentos, portanto todas as doenças são resultado de um desequilíbrio de todo o organismo;

Então este site é para você!

Medicina do Estilo de Vida é o nome que dou para a arte da manutenção da saúde, prevenção e recuperação de doenças através de uma ação conjunta que envolve, principalmente, mudanças de hábitos e estilo de vida.

Aqui, você lerá artigos sobre os mais diversos assuntos (até mesmo assuntos como restaurantes, cinema e viagens) que na minha visão podem influenciar, de alguma forma, nossa saúde. As informações deste site são de caráter geral, e jamais devem ser interpretadas como métodos para diagnosticar e tratar doenças. Ou seja, este site não substitui, de forma alguma, um médico. Ele tem, isso sim, a missão de informar e transmitir conhecimento ao público sobre questões de saúde, principalmente hábitos e estilo de vida saudáveis. Possui também a missão de revelar “o outro lado” de algumas (muitas!) informações e “crenças” sobre saúde, que infelizmente se transformaram em quase unanimidade, mas que na verdade estão longe de serem verdades absolutas.

Para receber um e-mail a cada artigo novo publicado aqui no site (e portanto tornar-se um “assinante” do site), basta preencher seu e-mail no campo localizado em uma das colunas laterais.

Boa leitura e muita saúde para todos nós!

Alexandre Feldman

Comentários dos Meus Leitores

  1. Imagem de Claudio MeloClaudio Melo comentou

    Prezado Dr.Feldman, sou terapeuta holistico e trabalhos em Postos de Saude, no municipio de Nova Iguaçu, Rj. Um projeto incomum, na verdade, mas que me enche de alegria e orgulho de estar, alem de tratando meus pacientes em conjunto com os medicos, levo informaçao de como se prevenirem contra as doenças. Lhes ensino automassagem, estimulo habitos de saude, meditaçao diaria ( que estao pondo em pratica, com grande sucesso!). Faço reuniões diarias com todos os a quem vou atender em particular, onde trocamos experiencias e lhes ensino habitos saudaveis.
    O seu site me alegrou sobremaneira, com a sua coragem em dizer a verdade e divulgar esses temas tao vitais, os quais poderiam mudar o quadro da saude em nosso país! Parabens e que o Eterno continue a lhe iluminar!
    Claudio

  2. Imagem de Carlos Braghini comentou

    Caro amigo, Alexandre.

    Mais um belo exemplo do que é ser Médico.

    Parabéns pelo projeto.

    Já assinei o site e espero com avidez seus preciosos insights.

    Um forte abraço.

    • Imagem de Marco Aurelio Smith FilgueirasMarco Aurelio Smith Filgueiras comentou

      Prezado colega
      Sou neurologista e combato a muitos anos excessos de medicamentos porque respeito a interação medicamentosa.Escrevo em jornais locais e no jornal do CRM materias sobre estas quetões.Gostei muito do seu artigo sobre Hipócrates e do que falou sobre drogas.Vou enviar-lhe uma materia que escrevi recentemente a esse respeito.Tenho a intenção de publicar uma materia sob o titulo “Victus quoque rationem”. Gostaria da sua permissão em deixar-me usar algumas informaçoes contidas neste seu artigo.

      Um abraço

      Marco Aurelio Smith
      CRM 1368 (PB)

      • Imagem de Dr. Alexandre Feldman comentou

        Prezado Dr. Marco Aureliio, fico muito contente que tenha gostado do meu artigo. Também fico contente em saber que gostaria de utilizar informações deste artigo para escrever sua nova matéria. Gostei muito do título que deseja dar a ela! Precisamos estimular quanto mais médicos a prescreverem estilo de vida a seus pacientes. Sinta-se livre para citar ou inspirar-se em tantas informações e trechos quantos desejar. Ficaria grato se acrescentasse um link em seu artigo para http://www.medicinadoestilodevida.com.br/hipocrates.

        Claro que eu adoraria receber a matéria que já escreveu a esse respeito! Poderia enviar para enxaqueca [arroba] enxaqueca [ponto] com [ponto] br ?

        Ficarei feliz se puder me enviar também sua nova matéria, quando publicá-la!

        Grande abraço e muito obrigado!

  3. Imagem de Apollon AttikósApollon Attikós comentou

    Caro Dr Feldman,

    Não sou médico – procurando pelo Juramento de Hippókrates, encontrei este site e gostei do que li. Está de Parabéns pela idéia da Medicina do Estilo de Vida. O ótimo trabalho que é informar e transmitir conhecimento sobre questões de saúde, principalmente sobre os hábitos no estilo de vida… Tomara que todos os médicos se conscientizem disto, e façam o mesmo, com a postura ética e a dedicação profissional que apresenta, na grande arte que é a medicina…

    Grande Abraço

  4. Imagem de Vovó MimaVovó Mima comentou

    Um profissional como e senhor, que expõe uma matéria como esta acima merece ser aplaudido em pé!
    Tenho uma esperança: que seus colegas possam rever seus valores e se associem ao senhor na esperança maior de mudar positivamente o comportamento de uma categoria que assiste o bem maior da humanidade: a vida! Parabéns!!!

  5. Imagem de Garcia CruzGarcia Cruz comentou

    Brilhante ideia essa de nos lembrar Hipócretes…

    Continuarei atento ao seu trabalho, certo dos benefícios que dele colherei.

    Felicidades

  6. Imagem de Yvis de OliveiraYvis de Oliveira comentou

    muito bom esse artigo, tanto com curiosidade como tbm p lembrar nossos colegas sobre o q é ser médico…^^

  7. Imagem de Jaqueline FFJaqueline FF comentou

    Sou uma aluna de magistério,e estou pesquizando sob Hipocrátes,e adorei sua matéria ,me enterecei muito mais sobre ele com sua explicação.Que alias é muito interessante e explicativa ,em outras palavras eu adorei!!!

  8. Imagem de André LimaAndré Lima comentou

    Muitíssimo instrutivo esse seu artigo. Oxalá outros profissionais da saúde tivessem semelhante interesse em instruir as pessoas a buscar alternativas de estilo de vida mais saudáveis. Parabéns…

  9. Imagem de jh.soaresjh.soares comentou

    congratulation, seu artigo foi muito bem elabora,esctou esdudando para consegir um vaga em medicina, e com seu artigo sentirme mas apaixonada pro essa profissao, seria otimo se todos os medicos tevessem uma leve sombra desse seu conhecimento.meu muitissimo parabens.obrigada!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!1

  10. Imagem de Patricia Lobato comentou

    Prezado Doutor Feldman, buscando informações para congratular meus amigos médicos no dia de hoje me deparei com seu site e fiquei encantada com sua visão da medicina.
    Sou da área da saúde (Educação Física) e atuo no segmento do exercício como parte da terapêutica médica onde aplicamos o juramento de hipócrates ao melhorar a “diaita” de cada um no dia a dia da academia. Os médicos vem se juntando aos poucos a esta visão preventiva que atua direto na origem saúde e não no efeito da doença!!
    PARABÉNS E OBRIGADA POR SUA CONTRIBUIÇÃO A SAÚDE!

  11. Imagem de Elizabete Batista Hurtado FernandezElizabete Batista Hurtado Fernandez comentou

    Boa Noite.

    Participo de uma Associação na cidade de Americana chamada Associação Anjos da Alegria e buscando inspiração para escrever o juramento dos Anjos com base no Juramento de Hipócrates, tive a grata surpresa de obter uma explicação que não vi em nenhum outro site. Gosto muito de saber dos detalhes e das histórias, quando vi seu texto não consegui parar de ler.

    Trabalhamos com a figura do palhaço dentro dos Hospitais voltado a humanização hospitalar na região de Americana, um trabalho voluntário que AMO fazer e vou escrever o nosso próprio juramento. Muito obrigada pela inspiração!

    Nosso Site: http://www.anjosdaalegria.org.br

    UGA – Um Grande Abraço! e Feliz 2011!!!

    Elizabete Batista Hurtado Fernandez

  12. Imagem de marciomarcio comentou

    eu sou medico ortopedista,trabalho num pequeno hospital do interior,gostei muito do que escreveu, ser medico antes de tudo e ter compaixao pelos pacientes sabendo que antes de mais nada estamos num pais onde a saude deixou de ser prioridade ja faz muito tempo,mas pessooas como o senhor nos faz acreditar que vale a pena lutar,e que deus nos abencoe.

  13. Imagem de Ludmila Aguirregabiria RuizLudmila Aguirregabiria Ruiz comentou

    Sou medica formada em Havana, Cuba. Especialista em Medicina Interna, desde o ano 1980. Sou espanhola, mais vivo e trabalho em Luanda, Angola, sendo proprietária de um Consultorio Ambulatório. Na procura do Arvore geneologico da Medicina e o Juramento do Hipocrates, com a finalidade de formar parte da informacao e o conhecimento, para os meus pacientes, encontrei este site aonde lei algo que me é de muita importância na minha actividade medica diária, gosto muito de aquilo que faço, da medicina que pretendo exercer, que é a medicina da Saude e nao da doença. Gostaria muito receber informacao, literatura, nomes de livros que me ajudem e me actualizem
    cada dia no meu exercício.
    Obrigada pela atencao e os parabéns pelo trabalho que desempenha de educar e ensenhar. Grata. Ludmila Aguirregabiria Ruiz

  14. Imagem de Adria CoelhoAdria Coelho comentou

    Dr. Feldman,
    Não sou médica, mas estou estudando para ser, adorei seu artigo sobre o juramento de hipocrates, e claro achei muito interessante sua opinião sobre, e espero que outros médicos adotem seus pensamentos Medicina do estilo de vida, é realmente uma ótima idéia, e quando me formar concerteza adotarei esta.

  15. Imagem de Zuzu DemeloZuzu Demelo comentou

    Dr.Feldman!
    Obrigada pela aula de historia,nem meu marido que era médico e meus filhos que são médicos também ,sabem deste Juramento de Hipócrates.
    Se o senhor poder me enviar por e-mail este” Juramento de Hipócrates – Revelações Surpreendentes
    by DR. ALEXANDRE FELDMAN on 20/02/2009″para eu enviar para os meus filhotes,eu agradeço muito.
    Meus parabéns pelo seu Site,Medicina do Estilo de Vida.
    Abraços
    Zuzu Demelo

  16. Imagem de Graça AraújoGraça Araújo comentou

    Caro colega Alexandre Feldman

    Sou médica neurologista, professora universitária e pesquisadora.
    Excelente e necessário o “Juramento de Hipócrates” para todos os colegas médicos, no dia a dia. Parabéns pelo site!
    Ética e princípios éticos estão muito esquecidos por quase todos os colegas e profissionais da área da Saúde e alunos. Estamos participando de um grupo de estudos integrando “Ciência, Ética (respeito à História da formação da civilização ocidental, à Filosofia e à Ética das religiões Judaico-Cristãs) e Educação Integrada, em São Paulo e outras cidades.
    Se possível, me envie seu email pessoal.
    Atenciosamente,
    Graça Araújo

  17. Imagem de ElviraElvira comentou

    Dr.Alexandre Feldman,
    Gostei muito da sua matéria sobre o juramento de Hipócrates, nunca tinha lido e achei os ensinamentos tão “atual”… O que me inspirou ler este artigo é que vi a estátua da “Deusa Grega” Higéia, na esposição do MASP sobre Deuses e Deusas, a estátua de mámore é do ano 400 a.C. Fiquei encantada com a estátua e sobre sua história, que mais tarde influenciou o que chamamos hoje de “higiêne” que são as medidas preventivas necessária para evitar doenças contagiosas. Me intrigou também a imagem de um “anjinho” ao lado da Deusa Higéia, o que não sei qual o significado na época.
    Parabéns pela matéria.
    Elvira (não sou médica, apenas uma curiosa, que gosta de sempre adquirir conhecimento)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Notify me by email when my comments gets approved.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>